Alumiada

A vida nos inventa muito melhor.

dezembro 29, 2005

In Natura

Ajeitei flor para aquecer vasos. Alinhei quadros até encantar os cantos das paredes. Sorri para os deuses e assim me cerquei de inebriadas bobagens. Conversei comigo mesma sempre à mesma sombra da tarde. Fui um espécime em ebulição, nativa dos laços. Quando plantei árvore, desejei virar folha e proteger o fruto.

Cultivei manias como a de ver estrelas de dia e pernoitar as noites, claro. Hoje não tenho uma fruta preferida, apenas meus versos mordidos. Esse apetite que só passa ao beliscar realidade e uma tal de lucidez que se acalma quando sonho pesado. Um dia por vez.