Alumiada

A vida nos inventa muito melhor.

março 04, 2006

Basta encantar-se. E só.

Não havia qualquer estrela no canto do olho do dia, até o mágico surgir do nada à minha esquerda, segurando uma cartola, sorrindo sem lebres, cercado de malabares. A bailarina cruzou o asfalto quente, batizando os pés entre piruetas e espirais com fitas. A música começou a tocar vinda da calçada. O homem de sobretudo, sob um sol de quarenta graus, segurava embrulhos e um olhar de sonho. Como personagem do Cirque du Soleil, o velho sorria sozinho, alimentando pombos imaginários. Em fração de segundo, surgiu a atriz. Empertigou-se diante da primeira fila de carros e declamou um poema com uma tristeza que a honrava. No carro ao lado, uma mulher mastigava com força, às pressas, sem graça, um sanduíche. Caberia rir, mas não era o caso. O sinal abriu, o espetáculo parou. Arranquei de alma farta. Os artistas foram sumindo, deixando-me menos só pelo asfalto. O sinal foi ficando para trás e uma certeza ganhou velocidade: o mundo, para alguns, é mesmo monótono e monocromático.


6 Comments:

  • At março 05, 2006, Anonymous Tom said…

    Ainda ontem pensei nessa sua adorável mania de tornar mágico, um fato qualquer do cotidiano. Continue olhando assim. Um beijo e saudades. Seu, Tom

     
  • At março 05, 2006, Anonymous Anônimo said…

    De repente, entro no elevador e desço me desenrolando em fitas de pano. E o calor não me chateia mais, porque vem da pipoqueira e do chá que a sua avó me serve. De repente, num sábado, me vendo triste, sorri pras prostitutas do centro velho, achando que minha balada era o próprio Moullin Rouge. E isso tudo porque Diana, com suas setas, me indica coisas tão bonitas, que plantei vitória régia onde tinha choro.
    Um beijo bem amarelo. Não de febre, ok?

     
  • At março 05, 2006, Anonymous leilalopes said…

    e ainda bem que há os que enxergam, no mundo, algo assim de tonalidades incríveis, e fazem parte deste mesmo chão quente. beijo beijo

     
  • At março 06, 2006, Blogger Maria Cláudia said…

    Na verdade temos a mania de preferir complicar as coisas simples. Você coloriu! :) beijo.

     
  • At março 07, 2006, Anonymous mario cezar said…

    sim . mulher que mastigou o vento. sim , mulher que andou sobre sangrias. se recuou foi pra abraçar os pássaros. não fique tanto tempo sem postar. beijos

     
  • At março 11, 2006, Anonymous Loba said…

    Saudade que eu estava destes seus textos maravilhosamente poéticos! E deste mundo policromático que suas palavras abrem! Lindo, Diana!
    Beijos

     

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home